A Separação, Flores da Guerra e Canal Marcos Castro

E ai galera,

Vou falar sobre Jodaeiye Nader az Simin (A Separação de Nader e Simir), um filme Persa (Irã) que fala sobre um casal que está em processo de divórcio, pois Simin quer morar fora do país para dar uma melhor educação para a filha, enquanto Nader acha melhor continuar no seu país. Nader tem um pai que tem Alzheimer e está cada vez pior e contrata uma mulher para tomar conta do mesmo enquanto ele está fora (no trabalho).

Nos primeiros trinta minutos o filme fica nessa e eu e minha mania de poupar tempo, ia começar a escrever sobre o filme, falando que achava monótono demais, coisa e tal, mas antes resolvi entrar no Filmow e ver os comentários sobre o mesmo antes de fazer um pré julgamento e vi um post de um garoto falando que achava o filme meio parado, mas depois entrava a cena clímax e o filme tomava outro rumo. Foi o que aconteceu, aconteceu a cena e o filme mudou de cara, ficou muito bom, tanto que terminei de ver o filme sete da manhã rs (dormir é pra fracos). Ok, o filme foi bom, mas achei dois pontos fracos no filme. O primeiro foi a solução para o caso, foi uma cena que não existiu, que não nos deu alternativas para criar teorias e o filme nem apresentou momentos para nos fazer pensar em teorias, ele foi jogando conforme o que apareceu, e no fim, a solução foi uma cena que não existia e até então tinha passado despercebido, pois não teve conseqüências (não que tivessem sido mostradas).

O segundo ponto foi o final do filme, na decisão de Termeh, não acho que teve necessidade desse Cliffhanger, até por que não acredito que terá um segundo filme.

Tirando esses dois pontos, o filme foi muito bom, recomendo, até por que foi um dos melhores que eu vi do ano (2011) e só mostra que o cinema não se resume a Estados Unidos e Inglaterra. Outros países podem fazer filmes a altura, como foi o caso do filme Belga, Le Gamin au Vélo (O Garoto da Bicicleta) e o nosso Tropa de Elite 2 (entre outros pelo mundo).

Outro filme muito bom que vi (antes da decisão do Globo de Ouro, aliás foi o que torci) foi Jin Líng Shí San Chai (Flores da Guerra), com Christian Bale.

Quando as pessoas falam que os chineses estão evoluindo, esse filme é um exemplo, o filme fala sobre um conto chamado The 13 Women Of Nanjing (As treze mulheres de Nanjing), que é uma história sobre a guerra que ocorreu na cidade de Nanjing em 1937.

Na guerra, a tropa japonesa tinha invadido essa cidade chinesa e dominado, a maioria dos soldados chineses estavam mortos e os japoneses estavam destruindo as cidades e estuprando as mulheres.

Christian Bale faz o papel de um coveiro americano que entra na igreja pra enterrar o antigo padre, mas acaba ficando como guardião e falso padre da igreja, para proteger as alunas, pois a maioria é órfã (ou se tornou, devido a guerra) e também para proteger um grupo de prostitutas que acabou invadindo a igreja, no desespero, para se proteger.

O filme é marcado pela invasão dos soldados japoneses na igreja e a cena final das meninas sendo levadas pelos soldados para uma falsa festa, onde saberiam que seriam estupradas até morrerem.

Dos filmes estrangeiros que concorreram ao Globo de Ouro 2012, esse foi o melhor, a produção chinesa ta de parabéns, o filme foi magnífico e sem exagero, possivelmente foi o melhor que eu vi do ano de 2011.

Fazendo uma recomendação, irei postar o canal do youtube do Marcos Castro. Ele faz umas músicas muito maneiras envolvendo games, ele é bem criativo. Vou postar três vídeos dele aqui, quem se interessar, só acessar o canal dele.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s